Log in
E-mail
Password
Remember
Forgot password ?
Become a member for free
Sign up
Sign up
New member
Sign up for FREE
New customer
Discover our services
Settings
Settings
Dynamic quotes 
OFFON
News: Latest News
Latest NewsCompaniesMarketsEconomy & ForexCommoditiesInterest RatesBusiness LeadersFinance Pro.CalendarSectors 

IBGE - Brazilian Statistical and Geographic Instit : PAM 2012: corn beats soybeans in production volume

10/25/2013 | 09:35am EDT
PAM 2012: corn beats soybeans in production volume

In 2012, the Brazilian corn production (71.1 million metric tons) grew 27.7% and surpassed that of soybeans (65.9 million metric tons), which had been leading production since 2002 , but, due to scarce rainfalls, fell 2.0% mainly in the South and Northeast Regions. In 2012, for the first time, second-crop corn was higher than the first one. Even so, soybeans continue leading the value of production (24.7% of the national overall), followed by sugarcane (19.8%) and corn (13.2%). Conversely, sugarcane production posted its first drop (-1.8%) in 12 years. These are some of the data from the Municipal Agricultural Production (PAM), which investigates 64 products in almost all the 5 565 Brazilian municipalities.

São Desidério (BA) surpassed Sorriso (MT) and was the municipality with the highest value of production in 2012, with a high of 35.2% in relation to 2011. But the agricultural production in Sorriso grew 124.6% in the year, and this municipality continues as the biggest national producer of soybeans and corn.

PAM 2012 releases for the first time, by municipality, the production of the coffee species: coffea arabica and coffea canephora, separately. The biggest national producer of coffee, Patrocínio (MG), also lead the production of coffea arabica. Jaguaré (ES), the second biggest producer, is the national leader in coffea canephora.

The value of production of the 22 fruit species investigated by PAM fell 6.5% in relation to 2012. Petrolina (PE) is the biggest fruit producer in the country. Juazeiro (BA), second in the ranking, posted a drop of 20.9% in the value of its fruit production. Because of the droughts in the Northeast, the national production of cashew nuts fell 65.1% in the year, and the value of production shrank 59.9%. The national production of orange decreased 9.1% in relation to 2011, but in São Pauloit declined 12.6%.

Among the 64 cultures surveyed, 41 fell in production over 2011, as beans (-18.6%), rice (-14.3%), soybeans (-12.1), cassava (-9.1%), cotton (-2.0%) and sugarcane (-1.8%). Furhter information on PAM 2012 can be accessed on http://saladeimprensa.ibge.gov.br/noticias?view=noticia&id=1&idnoticia=2246&busca=1&t=pam-2011-valor-producao-agricola-cresce-27-1-relacao-2010.

In 2012, according to the National Agricultural Survey (PAM), 69.2 million ha (up 1.0 million over 2011) were cultivated, a result of larger planted areas of soybeans and corn. The value of production (R$ 204.0 billion) rose 4.3 % in the year. Corn, beans and cotton were greatly responsible for the increase, with highs of 20.7%, 20.7% and 11.8% in their value of production. But soybeans still hold the greater participation in the agricultural value of production of the country (24.7%), followed by sugarcane (19.8%) and corn (13.2%).

The highlight in 2012 was the record production of corn (71.1 million metric tons), surpassing soybeans, which led production since 2002, but had a 12.0% contraction in 2012, due to droughts in the South and Northeast.

São Paulostill registers the biggest contribution (17.8%) to the national value of production, increasing R$ 1.7 billion in its value of production. Among the municipalities, São Desidério (BA) surpassed Sorriso (MT) and recorded the highest value of production in 2012, with high of 35.2% in relation to 2011.

Cereal production rises 7.4%

The production value of cereals, legumes and oilseeds (cotton, peanut, rice, oat, rye, barley, beans, sunflower, castor beans, corn, soybeans, sorghum, wheat and triticale) reached R$ 101.7 billion, growing 7.4%. The production accounted for 162.0 million metric tons in 50.4 million ha. Soybeans and corn represented 84.5% of this result.

In 2012, São Desidério (BA) boosts in value of production

São Desidério (BA) surpassed Sorriso (MT) and was the municipality with the highest agricultural value of production in 2012 (R$ 2.3 billion), with a high of 35.2% in the year. It accounted for 12.4% of the national production of cotton and 48.9% of the production in Bahia. The municipality is the 11th in the national rankingof soybeans, and responsible for 23.5% of the crops in Bahia.

The production in Mato Grosso keeps growing, especially corn. Sorriso, the second in the ranking in the value of production, is the major producer of soybeans and corn, responsible for 9.0% and 12.8% of the production of these crops in MT (Mato Grosso), respectively. The value of production grew 9.1%, due to corn, whihc was up 124.6%.

Soybeans are the major product in nine states, and corn, in six. More than half of the agricultural Brazilian production (55.4%) come from just four states: São Paulo, Mato Grosso, Minas Gerais and Paraná. In some states, agriculture is concentrated on few products, which can mean severe losses in case of weather problems or price drops. Two examples of that phenomena are Alagoas, where sugarcane accounts for 86.0% of the value of production, and Espírito Santo, where more than two thirds (70.4%) of the agricultural value of production come from coffee.

Corn second crop beats first

In 2012, the national production of corn (71.1 million metric tons) grew 27.7%, principally in the Central-West. The harvested area grew 7.4%. For the first time, the 2nd crop (38.3 million metric tons) surpassed the 1st (32.8 million metric tons).

After  the United States'(biggest producer) crop shortfall, prices went up. Taking advantaged from the favorable scenario, Brazilian producers enlarged the planted area in 10.7% and invested in technology, causing production to grow 27.7%.

In Paraná, the biggest producer (23.3% of the crops), production grew 32.7% in the year. Mato Grosso (15.7 million metric tons) posted the greatest growth (101.5%), with the state production concentrated on corn 2nd crop (96.4%). The drought caused corn production in the Northeast (3.9 million metric tons) to fall 23.0%.

The five municipalities with the biggest production in 2012 were: Sorriso (MT), Jataí (GO), Lucas do Rio Verde (MT), Rio Verde (GO), Maracaju (MS). They had significant positive changes in production in relation to 2011: Sorriso (124.6%), Lucas do Rio Verde (81.1%), Rio Verde (60.4%), Maracaju (57.0%) and Jataí (33.0%).

The remainder is temporarily in Portuguese.

Área plantada aumentou, mas produção de soja caiu 12%

A soja ocupou 25,1 milhões de hectares, ou 36,3% da área plantada do país, 1,1 milhão de hectares a mais que em 2011. Mas a produção (65 848 857 toneladas) caiu 12%, devido à falta de chuvas na Região Sul, no Mato Grosso do Sul, Bahia e Piauí. O Sul foi o mais afetado, com queda de 37,3% na produção em relação a 2011. O Rio Grande do Sul teve os maiores prejuízos e passou para o 4º lugar no ranking nacional da soja, sendo ultrapassado por Goiás.

Mato Grosso, líder nacional, colheu 33,2% da produção. Lá estão os municípios com as maiores produções: Sorriso (1 961 880 toneladas, ou 3,0% da produção nacional); Sapezal (1 130 326 toneladas) e Nova Mutum (1 107 481 toneladas). No ano, a participação do Paraná, segundo no ranking, caiu de 20,6% para 16,6% da produção nacional de soja.

Produção de cana teve primeira queda (-1,8%) em 12 anos

Devido à estiagem, a produção brasileira de cana-de-açúcar caiu 1,8%, após 12 anos de alta. De São Paulo, maior produtor, saiu 56,3% da produção nacional. Morro Agudo (SP) continua líder e manteve sua produção em relação a 2011, mas houve quedas em Barretos (-17,6%), Piracicaba (-13,6%), Paraguaçu Paulista (-19,3%), Jaboticabal (-22,6%) e Guaíra (-7,3%).

Minas Gerais é o segundo maior produtor, com 9,8% da produção nacional. Uberaba passou do 8º para o 3º lugar. Goiás, o estado que mais cresceu nos últimos anos, tornou-se o 3º maior produtor. A produção de Quirinópolis (GO), líder em Goiás, cresceu 16,7%, tornando-o o 8º maior produtor brasileiro.

Seca reduz a safra do algodão em 2,0%

Em 2012, a produção nacional de algodão (4 969 064 toneladas) caiu 2,0% frente a 2011. Por causa do clima, as safras na Bahia, Goiás e Minas Gerais sofreram retrações de 20,5%, 17,2% e 9,9%, respectivamente.

São Desidério (BA) é o líder nacional, com 12,4% da produção. Com a seca, apesar de um pequeno aumento de área (4,9%), a produção caiu 13,7%. Mas a falta do produto elevou os preços e o valor da produção municipal cresceu 43,5%.

Safra do arroz caiu 14,3%

A produção do arroz, relativamente estável nos últimos anos, teve queda significativa (-14,3%) em 2012. O Rio Grande do Sul, maior produtor, concentrou 66,6% da produção nacional: 7 692 223 toneladas, 14,0% a menos que em 2011. Com 9,5% da produção brasileira de arroz, Santa Catarina é a segunda no ranking, com Mato Grosso (4,0%), Maranhão (3,8%), Tocantins (3,0%) e Rondônia (2,1%).

Os 20 principais municípios produtores de arroz do Brasil são gaúchos. Somados, os cinco primeiros municípios (Uruguaiana, Itaqui, Santa Vitória do Palmar, Alegrete e São Borja) responderam por 21,2% da produção nacional.

Produção de café (arábica e canephora) cresceu 12,5%

Em 2012 o Brasil produziu 3 037 534 toneladas ou 50,6 milhões de sacas de 60 kg, 12,5% a mais que em 2011, considerando as duas espécies. A área colhida foi de 2 120 080 hectares. O rendimento médio, de 1 433 kg/ha, foi influenciado pelo ano de safra "cheia" da espécie arábica, que representa 75,0% da produção brasileira de café.

A PAM divulga, pela primeira vez informações sobre as espécies de café arábica e canephora, separadamente. Apesar da alta de 12,5% na produção, houve forte queda nos preços, principalmente do arábica, e o valor da produção cresceu apenas 3,0%.

Os vinte maiores produtores de café do país são liderados por Patrocínio (MG), que teve um aumento de 106,1% na produção e onde é cultivado o arábica. Em Jaguaré (ES), segundo maior produtor, onde é cultivado o canephora, a produção cresceu 11,9%.

A safra do arábica foi de 2 278 738 toneladas e Minas Gerais foi responsável por 69,3% dela. Patrocínio (MG) é o maior produtor de arábica do Brasil (64 789 toneladas), com Serra do Salitre (MG) (38 158 toneladas) a seguir. Dos 20 municípios maiores produtores de arábica, apenas Brejetuba (ES) (14º) não é de Minas Gerais.

A safra de canephora foi de 758 796 toneladas. O clima, os tratos e a irrigação deram bons resultados no Espírito Santo, maior produtor (77,6% da produção), seguido por Rondônia (11,3%) e Bahia (6,3%). Jaguaré (ES) é o maior produtor. Dos 20 municípios líderes, só Itamaraju (BA), Prado (BA) e Cacoal (RO) não são capixabas.

Produção de feijão caiu 18,6%

Em 2012, a produção nacional de feijão (2 794 854 toneladas) caiu 18,6%, devido à estiagem no Nordeste. A área colhida (2 709 485 hectares) diminuiu em 26,2%, mas o valor da produção cresceu 20,7%.

O Paraná manteve-se o principal produtor (25,1% do total) mas com queda de 14,1% no ano. Minas Gerais continua em segundo, com 633 827 toneladas e alta de 8,7% no ano. Goiás veio a seguir, com alta de 7,9%. Os 20 principais municípios produtores de feijão, com 27,1% da produção nacional, são liderados por Unaí (MG) (112 200 toneladas).

Seca no Nordeste reduziu em 9,1% a produção de mandioca

A área colhida com a mandioca no Brasil alcançou 1 693 001 hectares, enquanto a produção foi de 23 044 782 toneladas, com redução de 9,1% sobre 2011. O rendimento médio ficou em 13 612 kg/ha. A produção sofreu forte revés com a seca no Nordeste. Os maiores produtores (64,1% do total nacional) são: Pará (20,0%), Paraná (16,8%), Bahia (9,6%), Maranhão (6,6%), São Paulo (5,9%) e Rio Grande do Sul (5,2%).

As lavouras de mandioca no Paraná e São Paulo, com melhor tecnologia, tiveram rendimento médio acima de 23,0 toneladas/ha. Essa produção se destina à indústria. No Nordeste e no Norte, a produção destina-se à mesa e às "casas de farinha".

Entre os dez municípios que lideram a produção de mandioca, seis são do Pará: Santarém, Acará, Ipixuna do Pará e Oriximiná foram responsáveis por 1 149 900 toneladas de raízes em 2012, seguidos por Bragança (PA), Belterra (PA), São Francisco do Itabapoana (RJ), Lagarto (SE), Campos Novos Paulista (SP) e Cianorte (PR).

Fruticultura: produção de castanha de caju caiu 65,1%

A PAM investiga 22 espécies de frutas: abacate, abacaxi, banana, caqui, castanha de caju, coco-da-baía, figo, goiaba, laranja, limão, maçã, mamão, manga, maracujá, marmelo, melancia, melão, noz, pera, pêssego, tangerina e uva. As principais espécies, laranja e banana, têm 21,8% e 20,9% no valor total da produção, respectivamente.

Em 2012, o valor total da produção frutífera (R$ 21,1 bilhões) caiu 6,5% em relação a 2011. Com a seca no Nordeste, a produção nacional de castanha de caju caiu 65,1% no ano, e o seu valor da produção caiu 59,9%.

Maior produtor de frutas do país e responsável por 2,9% do valor da produção frutícola nacional, Petrolina (PE), teve aumento de 20,1% no valor da sua produção. Juazeiro (BA), segundo colocado neste ranking, teve queda de 20,9% no mesmo indicador.

Outros municípios tiveram altas acentuadas no valor da produção: Floresta do Araguaia (PA) (33,1%), São Miguel Arcanjo (SP) (24,3%), Vacaria (RS) (21,4%), Caxias do Sul (RS) (28,7%), São Francisco de Itabapoana (RJ) (57,1%), Baraúna (RN) (109,6%), Bom Jesus (RS) (76,2%), Icapuí (CE) (51,4%), Santa Maria da Boa Vista (PE) (21,8%), Sete Barras (SP) (22,3%), Itacoatiara (AM) (23,7%), Eldorado (SP) (37,7%), São Mateus (ES) (64,5%), Registro (SP) (27,9%), Jacupiranga (SP) (35,7%) e Luiz Alves (SC) (68,3%).

Produção nacional de laranjas recuou 9,1% em 2012

Em 2012, a safra nacional de laranjas (18 012 560 toneladas) recuou 9,1% em relação a 2011. São Paulo foi responsável por 74,2% da safra, em sua maior parte destinada à produção de suco, exportado para os EUA e a zona do Euro. Houve imensas perdas na citricultura paulista, com uma queda de 12,6% na produção de laranjas do estado, devido à crise na Europa, às sanções impostas pelos EUA e às pragas. Também pesou a pressão sofrida pelos produtores paulistas quanto aos arrendamentos de terras para a cana-de-açúcar.

Entre os 20 municípios líderes em produção de laranja, Casa Branca (SP) ocupa o 1º lugar (693 690 toneladas) e Itápolis (SP), líder em 2011, caiu para 11º. Na Bahia, 2º maior estado produtor, o município de Rio Real é o 5º maior produtor de laranja do País.

distributed by

© Publicnow 2013
Latest news "Commodities"
08:17aExplosion occurred during maintenance operations aboard oil tanker - local media
RE
08:16aExplosion aboard empty oil tanker off the coast of syria's baniyas - local media
RE
05:45aConsumers Adjust to Higher Prices
DJ
05/08Key U.S. Energy Pipeline Closes After Cyberattack--6th Update
DJ
05/08Key U.S. Energy Pipeline Closes After Cyberattack--5th Update
DJ
05/08Key U.S. Energy Pipeline Closes After Cyberattack--4th Update
DJ
05/08CENTERRA GOLD  : Kyrgyzstan court fines Centerra Gold mining venture $3.1 billion
RE
05/08Egypt's GASC seeks soyoil and sunflower oil for arrival July 11-31
RE
05/07Asian Development Bank to end coal, upstream oil and gas financing - draft statement
RE
05/07OIL FOR OXYGEN : Covid-hit India welcomes Saudi medical aid, boosts oil imports
RE
Latest news "Commodities"